20 - 05 2020

No nosso Informativo nº 73, referente ao Guia Técnico do CONAMA, recentemente divulgado, informamos que o Amostrador de Grande Volume para Partículas de Até 2,5 Micrometros (AGV MP2,5), fabricado pela Energética, não  atende ao método de referência eleito pelo CONAMA para partículas de 2,5 micrometros.

Aí então veio a seguinte pergunta de alguns clientes: Mesmo que o AGV MP2,5 não se paute em nenhum método de referência, qual o grau de confiança que a Energética tem no seu AGV MP2,5 como amostrador de partículas de até 2,5 micrometros?  Certamente nossa resposta é “temos confiança elevada no AGV MP2,5”, pelos motivos que passamos a apresentar a seguir.

1. O AGV MP2,5 foi primeiramente lançado pela ex-Andersen, uma empresa norte-americana que por muitos anos gozou de grande prestígio no cenário mundial. Vale ressaltar que a cabeça de separação MP10, utilizada nos nossos AGV MP10, foi também lançada pela Andersen. Aliás, ambas as cabeças foram projetadas pelo mesmo engenheiro, ou seja, Dr. McFarland, de uma universidade no Texas.

2. No momento, existem cerca de 100 AGV MP2,5 em operação no País, fornecidos ao longo de 15 anos, e, durante estes anos, nunca houve uma contestação sequer de clientes e órgãos ambientais sobre o desempenho do equipamento.

3. Atualmente a rede manual de monitoramento da qualidade do ar para medição do parâmetro MP 2,5 do INEA (órgão ambiental estadual) é composta 26 unidades, que foram adquiridos em 2012, e desde então, os dados obtidos por estes amostradores são validados e apresentados nos relatórios anuais pelo INEA. Isso indica a confiabilidade na metodologia de coleta do equipamento AGV MP2,5 fornecido pela Energética.   

4. Temos, internamente, feito alguns testes de desempenho do AGV MP2,5. O mais marcante destes foi uma campanha de testes simultâneos realizada por nossa Gerente da Qualidade, Rosângela Rajoy, como parte de tese de mestrado no âmbito do INMETRO. Rosângela teve como orientador o Prof. Anibal Pereira Netto, da UFF – Universidade Federal Fluminense. Alguns dados comparativos importantes desse estudo já foram divulgados no nosso Informativo nº 40, no qual apresentamos um gráfico dos desempenhos dos AGV PTS, AGV MP10 e AGV MP2,5, simultaneamente e durante uma campanha de 10 conjuntos de amostragens.

Aqui, pedimos ao leitor para observar que os valores do padrão final (PF) da Resolução 491 para MP10 e MP2,5 são respectivamente 50 e 25 µg/m3, ou seja, relação de 2 para 1. Comparem agora os PFs com os gráficos de MP10 e MP2,5. No gráfico, a relação das concentrações de MP10 e MP2,5 guarda coerentemente a mesma relação de 2 para 1 em todas as medições.

Dessa forma, para nós, os quatro motivos acima são evidências da qualificação e da confiança no AGV MP2,5 fabricado e comercializado pela ENERGÉTICA, como amostrador de partículas de até 2,5 micrômetros.

Portanto, este equipamento torna-se uma alternativa confiável para medição de partículas de até 2,5 micrômetros.


Estamos a disposição parara quaisquer esclarecimentos.

Consulte-nos para mais informações: (21) 3797-9800

08 - 05 2020

Atendendo o previsto pela Resolução CONAMA 491/2018 (antiga Res. nº 03),no final de 2019, o Ministério do Meio Ambiente (MMA) lançou um Guia de Monitoramento e Avaliação da qualidade do ar com o objetivo de unificar e padronizar o monitoramento da qualidade do ar no Brasil.

Respondendo a questionamentos de vários clientes sobre como ficam nossos equipamentos AGV MP2,5 e TRIGÁS face à promulgação do Guia Técnico para o Monitoramento e Avaliação da Qualidade do Ar, previsto pela Resolução CONAMA n° 491/18, decidimos elaborar esse informativo para orientação.

AGV MP2,5 Amostrador de Grande Volume para Partículas de Até 2,5 Micrometros

O AGV MP2,5 Energética não atende ao Método 40CFR50, Ap. L, da US EPA, eleito pelo CONAMA como método de referência para a medição de Partículas Finas (de até 25 micrometros) no País.  Tampouco é considerado método equivalente pela USEPA. Entretanto o consideramos como uma alternativa confiável para medição de MP2,5.

Vimos, há muito tempo, considerando tentar aprovar o AGV MP2,5 com método equivalente. Para isso, utilizaríamos o Método 40CFRChI (Procedures for Determining Comparability Between Candidate Methods and Reference Methods), da US EPA. E agora, com a promulgação do Guia Técnico, decidimos fazê-lo em breve, muito embora tenhamos ainda a dificuldade de obter os amostradores de referência, certamente importados, para compor o projeto, e de ter que eleger uma universidade de renome ou uma instituição oficial para conduzir o projeto em parceria com a Energética.

Por outro lado, já prevendo, há muito tempo, que o Método 40CFR50, Ap. L, seria escolhido como método de referência para o País, decidimos há alguns anos iniciar o projeto de um amostrador de baixa vazão pautado no método acima citado. Hoje, já temos um protótipo com 90% de realização, em fase de testes e finalização.

 

TRIGÁS (Amostrador de Pequena Vazão para a Medição Simultânea de
Até Três Poluntes Gasosos)

A escolha do método “Fluorescência na Região Ultravioleta” (UV), utilizado habitualmente em estações para monitoramento contínuo da qualidade do ar, para as medições de SO2 no País, traz implicações muito sérias, pois o equipamento para  tal, com acessórios  como guarita, ar condicionado, sistema de captação e sistemas de armazenamento e transmissão de dados, não é fabricado no País e não deve sair por menos de R$150 mi.  Esse preço, absurdo, quando comparado com o preço de um amostrador manual, de cerca de R$15 mil, certamente será uma barreira enorme à popularização do método escolhido para o País.  Há muitos prestadores de serviços no País que não terão condição de arcar com os custos do método contínuo.

A nossa recomendação aos usuários é que consultem os órgãos ambientais de seu estado e solicitem aval dos mesmos para a continuação do uso do Método da Pararrosanilia (40CFR50, Ap. A), que persiste como método de referência pela US EPA, para as coletas de SO2, assim viabilizando o uso do TRIGÁS para as coletas.

O problema com o SO2 se repete com o NO2. Para este, o CONAMA elegeu o Método da Quimiluminescência, que requer analisadores habitualmente utilizados em estações automáticas.  Um analizador destes, com os respectivos acessórios, não deve sair por menos de R$150 mil. Igualmente, recomenda-se aos usuários a solicitarem aos respectivos órgãos estaduais o aval para o emprego do Método do Arsenito de Sódio para as coletas de NO2, assim viabilizando o uso do TRIGÁS.

 

Estamos a disposição parara quaisquer esclarecimentos.

Consulte-nos para mais informações: (21) 3797-9800

28 - 04 2020

A pandemia do coronavírus (COVID-19) que assola o mundo exige a participação e envolvimento de todos no seu combate e na mitigação de seus efeitos. Neste sentido, a ENERGÉTICA compartilha uma oportunidade relevante com vocês.

Neste momento, o uso de máscaras torna-se medida individual muito importante, assim como os cuidados na filtragem do ar em aparelhos (ar condicionado central) e em determinados ambientes, como UTI, sala de cirurgia, etc.

Neste contexto, uma tarefa auxiliar fundamental consiste em verificar se realmente tais equipamentos de filtragem e proteção tenham e guardem a eficiência exigida.

Por conta disto, temos dois equipamentos em nosso portifólio de produtos, fabricados pela nossa parceira americana TSI:

TESTADOR DE FILTROS MODELO 8130A TESTADOR DE FILTROS MODELO 3330 
  • Permite vários testes de filtros por minuto.
  • Aprovado pelas normas brasileiras, americanas, europeias e asiáticas.
  • Usado pela Fundacentro (do Ministério do Trabalho), pelos principais fabricantes de máscaras e pelas indústrias fornecedoras de tecido filtrante para máscaras.

          Baixar folheto

  • Modelo portátil e fácil de usar e com um menor custo.
  • Mede as partículas que passam por um filtro.

 

           Baixar folheto

 

Clique aqui e conheça mais opções.

Na expectativa de que estes equipamentos sejam de grande utilidade neste delicado momento, estamos à disposição para mais informações. Entre em contato conosco.

25 - 11 2019

A ENERGÉTICA realiza anualmente treinamentos associados a equipamentos de nossa própria fabricação abertos ao público em geral. Invista em sua capacitação profissional. Inscreva-se já. Descontos especiais para empresas que inscreverem mais de um colaborador.

Veja abaixo os cursos e as respectivas datas para 2020:

1. Calibração, operação e manutenção dos Amostradores de Grande Volume para Partículas Totais em Suspensão – AGV PTS.

Carga horária: 08 horas
Datas:  27/04  | 06/07  |  01/10


2. Calibração, operação e manutenção dos Amostradores de Grande Volume para Partículas de até 10 µm – AGV MP10.

Carga Horária: 08 horas
Datas: 28/04  | 07/07  |  02/10

Mais detalhes


3. Conceito e Metodologia para Coleta Isocinética de Material Particulado em Fontes Fixas de Emissão com o CIPA – Coletor Isocinético de Poluentes Atmosféricos

Carga Horária: 24 horas
Datas: 27 a 29 de Maio de 2020  | 05 A 07 de Outubro de 2020

Mais detalhes


INSCRIÇÕES

Envie os dados completos do participante (nome, empresa, CPF/CNPJ, telefone) e a forma de pagamento desejada para energetica@energetica.ind.br.  Assim que recebermos a solicitação, entraremos em contato para envio do boleto (caso necessário) para pagamento da taxa de inscrição e assim garantir a vaga. Após o pagamento, enviar o comprovante para o e-mail financeiro@energetica.ind.br

Obs.: Novas datas poderão ser adicionadas ao longo do ano, de acordo com a demanda. Acompanhe nossos informativos. Cadastre-se clicando aqui

Treinamentos “In Company” – Nossos cursos em sua empresa! 
Tem interesse em outro curso não relacionado acima?
Conte para nós ou solicite uma proposta – energetica@energetica.ind.br

08 - 11 2019

A Califórnia foi é ainda é pioneira e inovadora na medição da qualidade do Ar.

Recentemente, o órgão ambiental do Sul da Califórnia que inclui a área de Los Angeles até San Diego – South Coast Air Quality Management District (SCAQMD) inovou. Se juntou à Teledyne e à Google para instalar em um dos veículos que realizam o mapeamento do Google Maps vários analisadores contínuos para monitorar em tempo real, NO2 diretamente e as partículas sem radioatividade, transmitindo as concentrações, a medida que o veículo percorre as ruas e avenidas  da área.

A foto mostra o veículo da Google, assim como os instrumentos  instalados dentro dele.

Ocupam pouco espaço, gastam pouca energia e transmitem os dados em tempo real, incluindo a posição geográfica.

Mais uma novidade da Teledyne que sempre procura inovar e estar à frente.

A Energética como representante exclusivo no Brasil, fica orgulhosa em ser parte deste esforço para o combate a poluição atmosférica ao redor do mundo.

#EnergeticaQualidadeDoAr #EmProlDoArQueRespiramos #CombateAPoluicaoDoAr #PoluicaoAtmosferica #TeledyneAPI #MonitoramentoDaQualidadeDoAr