20 - 05 2020

AGV MP2,5 ENERGÉTICA – Desempenho e Confiabilidade

No nosso Informativo nº 73, referente ao Guia Técnico do CONAMA, recentemente divulgado, informamos que o Amostrador de Grande Volume para Partículas de Até 2,5 Micrometros (AGV MP2,5), fabricado pela Energética, não  atende ao método de referência eleito pelo CONAMA para partículas de 2,5 micrometros.

Aí então veio a seguinte pergunta de alguns clientes: Mesmo que o AGV MP2,5 não se paute em nenhum método de referência, qual o grau de confiança que a Energética tem no seu AGV MP2,5 como amostrador de partículas de até 2,5 micrometros?  Certamente nossa resposta é “temos confiança elevada no AGV MP2,5”, pelos motivos que passamos a apresentar a seguir.

1. O AGV MP2,5 foi primeiramente lançado pela ex-Andersen, uma empresa norte-americana que por muitos anos gozou de grande prestígio no cenário mundial. Vale ressaltar que a cabeça de separação MP10, utilizada nos nossos AGV MP10, foi também lançada pela Andersen. Aliás, ambas as cabeças foram projetadas pelo mesmo engenheiro, ou seja, Dr. McFarland, de uma universidade no Texas.

2. No momento, existem cerca de 100 AGV MP2,5 em operação no País, fornecidos ao longo de 15 anos, e, durante estes anos, nunca houve uma contestação sequer de clientes e órgãos ambientais sobre o desempenho do equipamento.

3. Atualmente a rede manual de monitoramento da qualidade do ar para medição do parâmetro MP 2,5 do INEA (órgão ambiental estadual) é composta 26 unidades, que foram adquiridos em 2012, e desde então, os dados obtidos por estes amostradores são validados e apresentados nos relatórios anuais pelo INEA. Isso indica a confiabilidade na metodologia de coleta do equipamento AGV MP2,5 fornecido pela Energética.   

4. Temos, internamente, feito alguns testes de desempenho do AGV MP2,5. O mais marcante destes foi uma campanha de testes simultâneos realizada por nossa Gerente da Qualidade, Rosângela Rajoy, como parte de tese de mestrado no âmbito do INMETRO. Rosângela teve como orientador o Prof. Anibal Pereira Netto, da UFF – Universidade Federal Fluminense. Alguns dados comparativos importantes desse estudo já foram divulgados no nosso Informativo nº 40, no qual apresentamos um gráfico dos desempenhos dos AGV PTS, AGV MP10 e AGV MP2,5, simultaneamente e durante uma campanha de 10 conjuntos de amostragens.

Aqui, pedimos ao leitor para observar que os valores do padrão final (PF) da Resolução 491 para MP10 e MP2,5 são respectivamente 50 e 25 µg/m3, ou seja, relação de 2 para 1. Comparem agora os PFs com os gráficos de MP10 e MP2,5. No gráfico, a relação das concentrações de MP10 e MP2,5 guarda coerentemente a mesma relação de 2 para 1 em todas as medições.

Dessa forma, para nós, os quatro motivos acima são evidências da qualificação e da confiança no AGV MP2,5 fabricado e comercializado pela ENERGÉTICA, como amostrador de partículas de até 2,5 micrômetros.

Portanto, este equipamento torna-se uma alternativa confiável para medição de partículas de até 2,5 micrômetros.


Estamos a disposição parara quaisquer esclarecimentos.

Consulte-nos para mais informações: (21) 3797-9800

[fbcomments width="100%" count="off" num="3"]